quarta-feira, 12 de julho de 2017

Secretário de Pezão deixa o cargo por causa de atraso salarial dos servidores

Pedro Fernandes pediu demissão após reunião com o governador na 
segunda-feira. Ele discorda da forma de escalonamento feito pelo estado.


Pedro Fernandes deixou a Secretaria de Estado de Ciência,
Tecnologia e Desenvolvimento Social nesta terça-feira.
O DIA

Rio - Secretário estadual de Ciência e Tecnologia do Rio, Pedro Fernandes anunciou, na manhã de terça-feira, que deixará o cargo até o fim do mês. Ele disse que a decisão foi tomada por causa do frequente atraso salarial dos servidores estaduais e por discordar do escalonamento feito pelo governo. Pedro pediu demissão após se reunir, na segunda-feira, com o governador Luiz Fernando Pezão. Por causa da crise, os pagamentos dos salários dos professores estão atrasados no estado. No entanto, o depósito ocorre em datas diferentes para os que são ligados à Secretaria de Educação e para os da Ciência e Tecnologia. Os profissionais da Educação, como aqueles que dão aulas nos ensinos Fundamental e Médio, e os da Segurança recebem o salário antes dos que são subordinados à Ciência e Tecnologia, como os da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) e da Faetec. A decisão do atual secretário foi divulgada inicialmente na rede CBN, na manhã de terça-feira. Ao DIA, Fernandes reforçou que não entende o método adotado pelo governo para pagar em datas diferentes profissionais que exerçam a mesma função. "Entendemos a crise, mas não entendemos o motivo de algumas secretarias, como a Fazenda e a Educação, terem tratamentos diferentes. Entendo que a Segurança deve ter prioridade nesse momento", completou.

Ele destacou que as verbas do Fundeb não são suficientes para quitar completamente a folha de pagamento dos servidores ligados à secretaria. Fernandes afirmou que ficará no cargo no máximo até o fim do mês. "Eu me coloquei à disposição do governador, não vou sair saindo. Começo hoje meu processo de transição. Mas já avisei que volto para a Alerj depois do recesso", explicou.

http://odia.ig.com.br