terça-feira, 24 de janeiro de 2017

Jovem é estuprada na Central do Brasil

'Bandido é frio e não mostrou arrependimento', disse delegado. 
Com ele, foi apreendida uma faca com a qual ameaçou matar a vítima.


Homem foi preso por estupro na Central do Brasil.
MARIA INEZ MAGALHÃES

Rio - Uma adolescente de 16 anos foi estuprada dentro da estação Central do Brasil, no domingo, às 11:30hs. O acusado do crime foi preso em flagrante. Ele foi encontrado por funcionários da Supervia com a vítima após ter consumado o crime. Segundo a polícia, antes de estuprar a jovem, ele tentou atacar outra mulher, que fugiu. De acordo com as investigações, o bandido tem outras cinco passagens pela polícia: quatro por roubo e uma, furto. A última foi em abril do ano passado. O caso foi registrado na 5ª DP (Gomes Freire). "Ele é frio, não se mostrou arrependido e ainda teve um comportamento de deboche na delegacia. Ele ameaçou matar a vítima dizendo que já tinha sido preso, e que se fosse voltar para a cadeia, seria por homicídio", contou o delegado da 5ª DP, Marcelo Carregosa, informando que o estuprador resistiu à prisão. Segundo a polícia, o criminoso ainda tentou disfarçar dizendo que ele e a adolescente eram namorados. A jovem, ainda acuada e desesperada, fez sinais de maneira discreta para os funcionários negando a informação. Desconfiados, eles chamaram a Polícia Militar e a menina só conseguiu se desvencilhar do criminoso quando os policiais chegaram. Com o estuprador, foi apreendida uma faca com a qual ameaçou matar a vítima. Ele também foi reconhecido pela primeira mulher que abordou. “Ela voltou depois para pegar o trem, viu o tumulto e o reconheceu”, contou o delegado da 5ª DP, Marcelo Carregosa.

O delegado já pediu as imagens do circuito de segurança da Supervia, mas ainda não as recebeu. Os vídeos não mostram o estupro, mas flagraram o bandido e a vítima andando de mãos dadas pela estação para não levantar suspeitas. Carregosa contou que, para abordar as mulheres, ele anunciou um assalto. "A primeira se assustou e saiu correndo. Ele ainda ficou circulando pela estação até abordar a vítima. A ação dele durou uns 10 minutos", disse o delegado. Segundo ele, os funcionários viram os dois entrando num local restrito para funcionários e os abordaram. Em nota, a SuperVia alegou que o estupro não foi dentro da estação, mas na linha férrea nas imediações da Central do Brasil.

http://odia.ig.com.br/