terça-feira, 9 de agosto de 2016

Procon autua comitê organizador dos Jogos Olímpicos

Neste primeiro fim de semana do evento, torcedores 
enfrentaram longas filas para entrar nas arenas.


Torcedores enfrentaram longas filas para assistir a jogos 
da Olimpíada neste primeiro fim de semana da competição.
O DIA

Rio - O Procon Estadual autuou o comitê organizador dos Jogos Olímpicos por problemas ocorridos no primeiro fim de semana de competições. Um dos principais transtornos para os torcedores foram as longas filas para entrar nas arenas, como no Parque Olímpico, onde a fila passou de um quilômetro. Muitos espectadores chegaram a perder o início de alguns jogos. Segundo o órgão, o Parque Olímpico de Deodoro, no último sábado, havia apenas uma máquina de raio X para a vistoria dos torcedores, o que atrasou a entrada deles. Neste domingo, os espectadores levaram duas horas para entrar na Arena de Rugby. Na Barra e em Deodoro, foram registrados problemas também com a oferta de comida, grandes filas e alimentos acabando nos pontos de venda antes do término dos eventos. Houve relatos de que alguns quiosques não tinham troco. No Sambódromo e no Maracanãnzinho, a situação foi ainda pior, pois nem lanchonete havia nestes locais. De acordo com o Procon, apesar de ter dimensão do tamanho do evento e do número de pessoas que ele atrairia, os organizadores não se preocuparam em suprir a demanda dos consumidores, tanto no acesso ao local quanto na oferta de alimentos. Os torcedores pagaram para assistir à integralidade das partidas e acabaram prejudicados por problemas no acesso às arenas.

O comitê organizador dos Jogos tem 15 dias úteis, contados a partir do recebimento da notificação, para apresentar a sua defesa. Caso o prazo não seja cumprido ou os argumentos não sejam aceitos pelo Setor Jurídico do Procon Estadual, o comitê será multado. O valor máximo da multa, previsto pelo Código de Defesa do Consumidor, chega à casa dos R$ 9.000.000,00. Procurado, o comitê não deu um posicionamento sobre a decisão até a publicação desta reportagem.

http://odia.ig.com.br/