segunda-feira, 18 de julho de 2016

Corpo de Eliakim Araújo será cremado nos EUA, diz esposa

Jornalista lutava contra câncer no pâncreas e morreu nos EUA; Leila Cordeiro contou que família e amigos vão se despedir em cerimônia íntima.

Leila Cordeiro e Eliakim Araújo foram casados por mais de 30 anos.

Leila Cordeiro, esposa do jornalista Eliakim Araújo, que morreu no último domingo (17), aos 75 anos, em decorrência de um câncer no pâncreas, contou, através das redes sociais, a batalha que travou ao lado do marido contra a doença. Ela adiantou que não haverá velório e que o corpo será cremado nos Estados Unidos, onde o casal residia. “Há 45 dias abandonei minhas postagens aqui no Facebook para lutar na pior batalha de nossas vidas, contra um câncer inesperado que surgiu avassalador no pâncreas do Eliakim, com metástase para o fígado e vias biliares. Começava ali a guerra. Ele me pediu para manter a doença fora das páginas de sites e jornais, pois ele acreditava que iria sair dessa e que voltaria a aparecer saudável como antes”, escreveu.

A jornalista contou que o ex-apresentador dos telejornais da Rede Globo sofreu com os efeitos colaterais da quimioterapia, mas nunca perdeu a esperança e acreditou “até o último instante que ficaria curado”. “Jamais deixei de estar ao lado dele um segundo sequer. Abandonei a minha vida para salvar a dele, ou pelo menos, tentar prolongá-la”. “Foram os piores 45 dias da minha vida. Parecia que um tsunami tinha passado em cima da gente. Mas em nenhum momento nos revoltamos contra a situação. Afinal, não podíamos perder tempo com sentimentos negativos. Meu consolo é que o nosso amor foi ainda mais consolidado nesse período de aflição. Todos os dias trocávamos palavras de carinho e fazíamos planos para o futuro. Eu sabia que eles não iriam acontecer, mas jamais deixei que ele descobrisse isso”, continuou.

Emocionada, Leila declarou seu amor pelo marido e agradeceu o carinho que vem recebendo. “Queridos amigos, está difícil viver sem ele, muito difícil. É como se eu tivesse perdido a metade do meu corpo. Mas vou recuperá-lo em homenagem ao meu amor. Fiquei muito feliz e tenho certeza de que ele também ao ver aqui e em outras redes sociais tantas homenagens, tantas palavras de amor, respeito e amizade por ele. Muito obrigada a todos por tudo. Estou com a alma lavada ao ver o reconhecimento do público a esse grande homem e profissional”.

Ela também explicou que, a pedido do mineiro, não haverá velório de corpo presente. Ele será cremado e suas cinzas, espalhadas pela praia de Fort Lauderdale, nos Estados Unidos. “Um pequeno grupo formado pelos filhos e amigos vai jogar suas cinzas no mar, vestidos de branco, cada um com a oração e a mensagem que queira enviar ao nosso Eliakim, com bolas brancas que levarão cada pedacinho do nosso grande amor até a eternidade”, finalizou.

Leila e Eliakim ficaram casados por mais de 30 anos e tiveram quatro filhos. Eles foram o primeiro casal de apresentadores do Jornal Nacional . Os jornalistas se mudaram para os Estados Unidos em 1997 para trabalhar como âncoras do canal CBS Telenotícias e, mesmo após o fim do projeto, decidiram continuar no país.

Terra
diversao.terra.com.br