domingo, 22 de maio de 2016

Defensoria critica ação da PM contra estudantes

Para órgão, policiais usaram força desproporcional 
para desocupar a secretaria.


Vários jovens desmaiaram depois que a PM usou spray de pimenta.
RICARDO SCHOTT

Rio - A Defensoria Pública do Estado do Rio lamentou o uso da força policial, sem autorização judicial, na retirada dos estudantes que ocupavam a Secretaria Estadual de Educação, ontem de madrugada. O órgão considerou a ação desproporcional à ameaça que os adolescentes instalados na sede da secretaria poderiam representar. Para os defensores públicos, a segurança dos alunos deveria ter sido priorizada. Na desocupação feita às 04:30hs., policiais do Batalhão de Choque (BPChq) usaram spray de pimenta para forçar a saída de um grupo de vinte jovens que havia permanecido no local, após reunião com o secretário de Educação, Wagner Victer. Pelo menos dois estudantes perderam os sentidos e foram socorridos por outros jovens que classificaram a ação como truculenta. Eles disseram que a polícia usou spray de pimenta diretamente no rosto deles. De acordo com o batalhão, os PMs estavam no local “para manter a integridade física dos ocupantes e evitar depredações no prédio”.

O secretário e os estudantes conversaram por aproximadamente três horas e foi fechado um acordo no qual os estudantes poderão participar das negociações de mudanças e melhorias propostas pela secretaria. Mesmo após o acordo, segundo a secretaria, o grupo permaneceu no prédio. Segundo o governo, o portão ficou aberto para que eles se retirassem quando quisessem. Ainda segundo o BPChoque, houve diálogo com os estudantes, que inicialmente concordaram com a saída. Em seguida, segundo a PM, os ocupantes retrocederam do acordo. Por fim, o batalhão explica que foram esgotados todos os mecanismos de negociação e por isso foi necessário o uso progressivo da força para a desocupação. Ontem, estudantes voltaram à Seeduc, onde um carro da PM permanecia na entrada do prédio.

A Defensoria Pública acrescentou que tem mantido, junto com o Ministério Público, um fórum de negociação permanente para tentar encerrar a ocupação das mais de 70 escolas estaduais ocupadas por alunos e garantir a volta às aulas. “Acreditamos que o diálogo e a mediação são os caminhos eficazes na solução de conflitos”, defendeu o órgão.

http://odia.ig.com.br/