domingo, 15 de maio de 2016

Crise política no país não empolga o eleitor carioca

População admite desinteresse pela eleição municipal. Crivella segue liderando, seguido por Romário e Marcelo Freixo.


Carioca não mostra interesse nos candidatos à eleição municipal.
CAIO BARBOSA

Rio - A crise política que tomou conta do país e ganhou as manchetes de jornais de todo o mundo parece não ter atingido o carioca. A menos de cinco meses das eleições municipais, mesmo com tanto bafafá nas ruas e redes sociais sobre política, os moradores da Cidade Maravilhosa parecem mais preocupados com o frio, o chope sem praia e o início do Campeonato Brasileiro, neste fim de semana, mesmo sem jogos no Maracanã. Em pesquisa realizada pelo Instituto Paraná com 900 cariocas, entre os dias 09 e 12 de maio, 73,1% se mostraram pouco ou nada interessados na sucessão do prefeito Eduardo Paes. Já 16,1% mostraram interesse e apenas 9,3% disseram estar muito interessados na sucessão municipal.

Uma rápida consulta nas ruas atesta o que diz a pesquisa. A ideia de que a crise poderia aumentar a consciência política da população é falsa. Como quase tudo no Brasil, o eleitor vai deixar para se informar e decidir o voto na última hora. “Confesso que ainda não parei para pensar na eleição, não. Até tenho acompanhado a crise em Brasília, mas nem sei quem são os candidatos aqui no Rio. Sei que o Paes tem um candidato. Acho que o Romário vem, o Garotinho. O Psol vai lançar o Freixo? Não sei”, admite o porteiro Jeferson de Souza, de 45 anos, morador do Complexo da Penha. O empresário José Luís Monteiro, de 57, também reconhece não estar “por dentro das novidades”. Nem do Rio nem de Brasília. Monteiro não sabe sequer de que Dilma está sendo acusada no processo de impeachment. Ou quem será o candidato de Eduardo Paes.


Foto: Arte O Dia

“Sei que vai ter um evangélico. Sempre tem. Não sei se vai ser o Crivella ou o Garotinho. Mas eu me informo. E voto naquele que sei que será o melhor para a cidade”, garante o empresário. E o melhor candidato, segundo a pesquisa, será o que priorizar a Saúde. Para 51% os entrevistados, está ali o principal problema do Rio, seguido da Educação (22,3%) e Segurança Pública (11,1%). A corrupção é a principal preocupação para apenas 5,6%. Pelo menos em relação aos problemas da cidade os cariocas estão antenados. Apenas 0,1% disseram não saber qual a prioridade para o novo prefeito. “Os problemas a gente conhece. Não conhecemos é quem saiba resolvê-los”, brincou o bem-humorado garçom Álvaro Ribeiro.

Impopularidade não incomoda Pedro Paulo, candidato de Eduardo Paes
O mau desempenho nas pesquisas eleitorais e a falta de interesse dos cariocas pela eleição municipal não incomodam o deputado federal Pedro Paulo Carvalho (PMDB), o escolhido do prefeito Eduardo Paes para sucedê-lo em 2017. “Estou acostumado a enfrentar estes cenários. Nas eleições para deputado, o número de eleitores desinteressados chega a 80% faltando apenas duas semanas para a eleição. Ainda tem muita coisa para acontecer até outubro. Temos uma Olimpíada pela frente. E vamos mostrar ao eleitor tudo o que fizemos nestes oito anos”, afirmou o preferido do prefeito Paes. Pedro Paulo diz que vai se ater a pesquisas apenas em outubro: a da urna eletrônica. “Não vou sofrer ou me animar com antecedência. Tenho é que trabalhar. É isso o que tenho feito diariamente”, informou.

Confortável na liderança, Marcelo Crivella pensa de forma diferente. E acha que o eleitor carioca já sabe muito bem em quem votará na eleição de outubro. “Isso mostra que quem decidiu já decidiu e perdeu o interesse no processo da eleição. É diferente de quando o quadro era indefinido e as pessoas esperavam a propaganda, as propostas e o debates. Essa eleição parece já estar decidida no coração do eleitor”, disse Crivella.

Para Romário, o desinteresse do carioca é fruto “de toda essa confusão política que vive o país” e que falta aos políticos estar “mais perto do povo e de forma transparente”. O senador disse também que os números da pesquisa do Instituto Paraná não são os mesmos das que têm feito internamente, pelo PSB. “Nas pesquisas que temos feito estou batendo na casa dos 30%. Mas não ligo para pesquisa neste momento. Eleição se ganha na rua”, disse Romário, com a conhecida marra dos tempos de melhor jogador de futebol do mundo.

Crivella lidera em todos os cenários
O senador Marcelo Crivella (PRB) segue na preferência do eleitorado, segundo a pesquisa estimulada do Instituto Paraná, quando são apresentados aos entrevistados os nomes dos possíveis candidatos. No primeiro cenário, que incluiu os nomes do senador Romário (PSB) e das deputadas federais Clarissa Garotinho (PR) e Jandira Feghali (PCdoB), Crivella aparece com 31,2% da preferência, contra 16,3% de Romário e 9,4% do deputado estadual Marcelo Freixo (Psol). O deputado estadual Flavio Bolsonaro (PSC) aparece em quarto lugar, com 7,1%, seguido de Jandira Feghali, com 4,8%, Clarissa Garotinho, com 4,2% e Pedro Paulo Carvalho (PMDB), com 3,6%. Os deputados federais Alessandro Molon (Rede) e Índio da Costa, (PSD) têm apenas 2,7% e 1,9%, respectivamente. Cyro Garcia (PSTU) e Carlos Osório (PSDB) estão empatados na última posição, com apenas 1,1% da preferência dos entrevistados.

No segundo cenário, sem Romário, Clarissa e Jandira, a liderança de Crivella é ainda maior, com 41,9% contra 14,1 de Marcelo Freixo. Flávio Bolsonaro teria 8,4%, Pedro Paulo viria com 5,8% e Índio da Costa teria 3,2%. Carlos Osório teria, neste cenário, 1,9% dos votos. “Me sinto muito honrado e agradecido com a generosidade do povo carioca. Se este resultado for confirmado nas urnas, farei de tudo para honrar essa confiança. O cenário político hoje é de mudança, e exige uma renovação”, comemorou o senador Marcelo Crivella.

http://odia.ig.com.br/