terça-feira, 8 de agosto de 2017

PF: colaboradores se livraram da prisão sem ajudar investigação

Em relatório enviado a Sérgio Moro em abril, o delegado Filipe Hille Pace 
afirma que três delatores que ganharam benefícios não ajudaram em nada.


O DIA

Rio - A Polícia Federal (PF) e a Procuradoria-Geral da República (PGR), que trabalham juntas na Lava Jato, bateram de frente publicamente na segunda-feira, deixando claro que o desentendimento entre os órgãos vem de muito tempo. Em relatório enviado a Sérgio Moro em abril, o delegado Filipe Hille Pace afirma que três delatores que ganharam benefícios não ajudaram em nada as investigações.


Janot e Gilmar Mendes.

A PF se referiu às colaborações do ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, do doleiro Alberto Youssef e do operador Fernando Baiano para o inquérito contra o ex-ministro Antonio Palocci, preso em 2016 e condenado a 12 anos de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro. Costa, da Petrobras, afirmou ao juiz Moro que o doleiro Youssef lhe solicitou R$ 2.000.000,00 do esquema de corrupção da estatal, em nome do ministro Palocci. Youssef “refutou integralmente” a versão. Apesar de um dos dois estar mentindo, ambos receberam benefícios. Já Fernando Baiano disse que presenciou Palocci solicitar de Costa valores para a campanha presidencial do PT de 2010, versão diferente da apresentada por Costa.

O relatório indicou que acareações foram feitas e “mantiveram-se as diversas contradições entre os depoimentos dos criminosos colaboradores”, que “em nada auxiliaram os trabalhos investigativos, muito embora tenham sido beneficiados para tanto”. Janot reagiu dizendo que a PF só ataca acordos dos quais não participa e que a manifestação é apenas jogo de poder.

Gilmar: PGR é ‘desqualificado’
O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse ontem que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, é o mais “desqualificado” que já passou pela Procuradoria-Geral da República (PGR). Em entrevista à Rádio Gaúcha, o ministro afirmou que o STF vai reavaliar o acordo de colaboração da PGR com os irmãos Batista, da JBS. “Ele não tem preparo jurídico nem emocional”, disse o ministro. A Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR) rebateu dizendo ser “deplorável” que um ministro do STF “esqueça reiteradamente de sua posição para tomar posições políticas (muito próximas da política partidária)”.

http://odia.ig.com.br