quinta-feira, 6 de abril de 2017

Mocidade é declarada campeã do Carnaval 2017 junto com a Portela

Escola da Zona Oeste faturou título por 7 a 1 em votação de 
dirigentes das escolas do Grupo Especial. Houve quatro abstenções.


Mocidade é declarada campeã junto com a Portela.
ANGÉLICA FERNANDES
E LEO DIAS

Rio - A Mocidade Independente de Padre Miguel conquistou o título de campeã do Carnaval deste ano. A vitória chegou na noite de quarta-feira, após votação entre os dirigentes das escolas de samba do Grupo Especial. Foram sete votos a favor, quatro abstenções e apenas um contra, da Portela. O campeonato será dividido com a Azul e Branca, que vai se pronunciar nesta quinta sobre a decisão — que volta com a maldição dos 47 anos sem ser campeã sozinha. Acataram o pleito da Mocidade Vila Isabel, Grande Rio, União da Ilha, Paraíso do Tuiuti, Mangueira e São Clemente. Não votaram Imperatriz, Beija-Flor, Unidos da Tijuca e Salgueiro. Havia torcida na porta da sede da Liga Independente das Escolas de Samba, na Praça Mauá. Após 21 anos sem vitória, a Verde e Branca chegou ao sexto campeonato depois de uma solicitação feita à Liesa, mês passado, para divisão do título com a Portela. O argumento foi que, na divulgação das justificativas das notas, o jurado Valmir Aleixo Ferreira, do quesito enredo, tirou um décimo da Mocidade pela ausência do destaque ‘Esplendor dos Sete Mares’, que não constava na edição atualizada do livro ‘Abre-Alas’.


A Liga convocou reunião com representantes das 12 escolas para votar o direito ao título, que a Verde e Branca reivindicava. Minutos após a ‘virada de mesa’, torcedores da Mocidade comemoravam nas redes sociais. Uma postagem na página oficial da escola, com a foto de campeã do Carnaval 2017, colecionava mais de 4 mil compartilhamentos e 5 mil curtidas em menos de meia hora da publicação. Internautas agradeceram o empenho da direção da Verde e Branca pela conquista do título e já aguardavam a data oficial da festa na quadra, que havia sido prometida dias antes da reunião de ontem. Em meio à polêmica, a Liesa chegou a tratar do caso como uma falha de comunicação e alegou que a Mocidade enviou a versão atualizada do Abre-Alas, sem a presença da destaque, após a realização do curso de julgadores para o quesito.

Um Carnaval cheio de problemas
Os desfiles da ‘cocampeã’ tardia também ficarão marcados pelos acidentes em plena Avenida — que levaram a uma primeira virada de mesa. Depois dos problemas com carros alegóricos da Paraíso do Tuiuti e da Unidos da Tijuca, a Liesa determinou que nenhuma escola seria rebaixada. Assim, ano que vem, o Grupo Especial terá 13 agremiações, e duas cairão para a Série A.

No Domingo de Carnaval, no desfile de abertura, uma desgovernada sexta alegoria da Tuiuti imprensou 20 pessoas contra a grade em frente ao Setor 1, na tentativa de colocá-la no eixo. Quatro pessoas foram indiciadas, incluindo o motorista do carro, que não tinha visão da pista. Na noite seguinte, no mesmo Setor 1, parte da estrutura do segundo carro da Unidos da Tijuca caiu, deixando 12 feridos. A polícia concluiu que a alegoria não estava superlotada e indiciou dois engenheiros.

http://odia.ig.com.br