quarta-feira, 22 de março de 2017

Serraglio protegeu "grande chefe" da Carne Fraca, diz senadora.


Enrolado: Michel Temer e Osmar Serraglio 
durante a posse deste como ministro da Justiça.
por Redação

Katia Abreu confirma reportagem e diz que ministro da Justiça de Temer 
tentou evitar afastamento de fiscal investigado pela PF.

Na sexta-feira 17, quando a Polícia Federal deflagrou a Operação Carne Fraca, o ministro da Justiça, Osmar Serraglio, divulgou uma nota oficial em um tom quase celebratório. Citado nas investigações, Serraglio afirmou ter ficado sabendo da operação como um cidadão comum, o que provaria a impossibilidade de ele, integrante da tropa de choque do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), interferir na Operação Lava Jato. A tentativa de se distanciar da Carne Fraca deve, entretanto, naufragar. Na tarde de segunda-feira 20, a senadora Katia Abreu (PMDB), última ministra da Agricultura de Dilma Rousseff, confirmou pelo Twitter o conteúdo de uma reportagem publicada pelo Blog do Josias, do jornalista Josias de Souza. "Infelizmente esta matéria está correta", disse Katia Abreu. De acordo com a reportagem, Serraglio, então deputado federal pelo PMDB-PR (cargo do qual se licenciou para assumir o Ministério da Justiça), procurou Katia Abreu em dezembro de 2015 para tentar impedir o afastamento de Daniel Gonçalves Filho da superintendência do Ministério da Agricultura no Paraná. A base do afastamento seria uma recomendação da Consultoria Jurídica do ministério, feita após um processo administrativo interno revelar que Gonçalves Filho livrou de punição um subordinado acusado de furto na superintendência, mesmo sem ter poder para isso e diante de provas claras contra o acusado. Serraglio pediu cópia do parecer jurídico, diz a reportagem, e ainda assim solicitou que Gonçalves Filho fosse mantido no cargo. Em abril de 2016, o superintendente foi afastado por Katia Abreu.


Nesta terça-feira 21, Katia Abreu foi ao Plenário do Senado e reafirmou as acusações. Sem citar Serraglio, denunciou a atuação dos deputados do PMDB-PR que "insistiram para que a lei não fosse cumprida". "Nunca tive notícias de uma pressão tão forte", afirmou. Segundo os investigadores da Carne Fraca, Gonçalves Filho era o líder da organização criminosa desbaratada na operação. Gonçalves Filho, afirma a PF, comandava ao menos oito fiscais e outros subordinados que facilitavam a produção de alimentos adulterados por parte de frigoríficos e emitiam certificados sanitários sem realizar a fiscalização de fato. A atuação de Gonçalves Filho "no sentido de evitar qualquer problema com a fiscalização" fica clara, diz a PF, em sua relação com o Frigorífico Larissa Ltda., sediado em Iporã, interior do Paraná. Gravação interceptada pela PF mostra Serraglio avisando o fiscal a respeito de uma inspeção do Ministério da Agricultura.

OSMAR SERRAGLIO: Grande chefe, tudo bom?
GONÇALVES FILHO: Tudo bom
OSMAR SERRAGLIO: Viu? Tá tendo um problema lá em Iporã, cê tá sabendo?
GONÇALVES FILHO: Não.
OSMAR SERRAGLIO: O cara lá, que... o cara que tá fiscalizando lá... apavorou o Paulo lá, disse que hoje vai fechar aquele frigorífico... Botô a boca, deixou o Paulo apavorado! Mas para fechar tem o rito, não tem? Sei lá. Como que funciona um negócio desse?
GONÇALVES FILHO: Deixa eu ver o que está acontecendo... tomar pé da situação lá... falo com o senhor.

Após a ligação, diz a PF, Gonçalves Filho liga para Maria do Rocio Nascimento, outra integrante do esquema, contando-lhe que o fiscal de Iporã quer fechar o frigorífico Larissa. Ele pede, ainda segundo os investigadores, que ela averigue o que está acontecendo e lhe ponha a par. Nascimento faz o contato, descobre que não há nada errado e avisa Gonçalves Filho, que, por sua vez, avisa Osmar Serraglio.

O "Paulo" citado por Serraglio é Paulo Rogério Sposito, que em 2010 foi candidato a deputado federal pelo PPS-SP com o nome de Paulinho Larissa. De acordo com o delegado federal Maurício Moscardi Grillo, no contexto das investigações não surgiram indícios de que Serraglio tivesse ciência do esquema, mas o caso foi encaminhado para a Procuradoria-Geral da República, responsável por processar políticos com foro privilegiado, caso de Serraglio.

Em nota enviada ao Blog do Josias, Serraglio disse que Daniel Gonçalves Filho era um nome chancelado pela bancada do PMDB na Câmara e que todos seus contatos com o fiscal eram feitos em nome da bancada, "nunca de forma individualizada". Ainda segundo Serraglio, nunca houve tentativa de interferir.



www.cartacapital.com.br