quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

No ES, moradores fazem vigília em condomínios para evitar invasões

Com medo, eles se revezam em grupos para garantir a própria segurança.
Sem PMs nas ruas, o estado enfrenta onda de violência desde sábado.


Da Redação Multimídia da Rede Gazeta

Em meio a um clima de medo e insegurança, moradores de cinco condomínios de Colina de Laranjeiras, na Serra, Espírito Santo, chegaram ao extremo e estão fazendo vigílias para evitar saques, arrastões e assaltos às suas residências. O Espírito Santo está sem a PM nas ruas porque protestos de familiares dos policiais bloqueiam as saídas dos batalhões. As famílias pedem reajuste salarial para a categoria, que é proibida de fazer greve, e o governo nega. Desde sábado (4), o estado vive uma onda de violência com mortes, saques e assaltos.

Segundo a síndica do condomínio Parque Pelicano, Suellen Cristine Batista, na madrugada de sábado para domingo, homens passaram atirando nos transformadores do bairro, com a intenção de cortar a energia elétrica para facilitar a entrada no local. Foi a partir desse episódio que os próprios moradores decidiram fazer as vigílias. “Nos organizamos para dar proteção aos nossos moradores. Na madrugada de domingo para segunda-feira, tentaram entrar no nosso condomínio e, graças a essa organização, eles não tiveram êxito”, afirma a síndica.

Tanto no Parque Pelicano quanto no Parque Fragata, as vigílias começam às 19:00hs., e seguem até as 07:00hs., sempre com o auxílio de uma escolta armada contratada pelos condôminos e com a orientação de policiais que residem nesses locais.

Ronda
Os grupos são formados por cerca de 30 homens que fazem as rondas, enquanto às mulheres, cabe a função de servir lanches. “Estamos nos revezando em turnos, de acordo com a disponibilidade dos moradores. Estamos pagando escolta para atuar à noite, e durante o dia, nos organizamos e ficamos alertas para evitar qualquer sinistro”, explicou a síndica.

O empresário e síndico do Parque Fragata, Valdison Moraes Pimentel Junior, 31, reconhece que ao fazer as vigílias está correndo risco, mas avalia que, sem elas, a situação ficará inviável. “Domingo tentaram invadir dois condomínios vizinhos ao nosso, os policiais que moram aqui se juntaram com a gente e fomos para cima deles. Se não fosse a vigília, eles teriam entrado”, conta Fragata

http://g1.globo.com