quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Corpo da atriz Vida Alves é enterrado em São Paulo

Atriz, que ficou conhecida por dar o primeiro beijo da TV brasileira, morreu na terça (3) aos 88 anos. Corpo foi sepultado no Cemitério do Araçá.


Por G1 São Paulo

O Corpo da atriz e escritora Vida Amélia Guedes Alves foi enterrado por volta das 16:40hs., desta quarta-feira (4) no Cemitério do Araçá, na região central de São Paulo. A atriz, de 88 anos, pioneira na televisão brasileira, estava internada no hospital Sancta Maggiore desde 28 de dezembro e morreu de falência múltipla dos órgãos na noite de terça (3). Vida Alves é a atriz que deu o primeiro beijo da TV brasileira, na década de 50, e o primeiro beijo gay, nos anos 60. Ela é avó da cantora Tiê, que compareceu ao velório realizado nesta tarde. "Ela dizia: 'você vai ser artista porque é isso que você gosta e eu não vou deixar você fazer direito'", lembrou a artista. "Ela sempre me ensinou muitas coisas", completou. Tiê também escreveu sobre a morte da avó em sua página oficial no Facebook: "Dona Vida Alves fez a passagem. Minha amiga, minha avó, minha parceira, minha musa beijoqueira. 88 anos de muita luz, amor, arte e vida. Vire estrela e descanse em paz. Te amo pra sempre e vou sentir saudades todos os dias", escreveu a cantora.


Com mais de 70 anos de carreira, Vida começou trabalhando no rádio, passou para as telenovelas, contracenou com grandes nomes como Tarcísio Meira, Glória Menezes, Eva Wilma e Aracy Balabanian, fez carreira no cinema, apresentou programas na TV e escreveu novelas. Em 1995, ela criou junto com outros artistas a Associação dos Pioneiros Profissionais e Incentivadores da Televisão Brasileira (Pró-TV), que busca preservar a memória da televisão brasileira.


A atriz nasceu em Itanhandu (MG), em 15 de abril de 1928. Sua trajetória é contada na biografia "Vida Alves - Sem medo de viver", de Nelson Natalino, lançada em 2013 pela editora Imprensa Oficial. A saúde dela se complicou há um ano, quando se submeteu a uma cirurgia, mas o problema de saúde persistiu. Uma das filhas de Vida, Taís, falou ao jornal Hora 1 sobre o legado da mãe. "Vida foi uma inovadora, uma beijoqueira, e eu ainda brincava: 'Vidinha, ainda bem que você não deu o segundo beijo [da história da TV], porque do segundo beijo ninguém fala'. Ela foi a primeira beijoqueira".


A Pró-TV divulgou nota sobre a morte de Vida Alves, a quem chamou de "símbolo da televisão". A atriz presidia a ONG. "Incansavelmente, ao lado dos colegas de profissão, lutou pela criação de oficial do Museu da Televisão Brasileira, que por 13 anos abrigou dentro de sua casa, e pela preservação da memória da radiodifusão", diz a nota. "Nesse momento difícil, nos solidarizamos com a família de Vida Alves, com seus amigos e colegas da área, que ela sempre fez questão de representar", completa.


Primeiros beijos
Vida foi entrevistada pelo G1 em 2014, devido ao capítulo final da novela "Amor à vida", em que Niko (Thiago Fragoso) e Félix (Mateus Solano) protagonizaram o primeiro beijo gay em novelas da Globo. Ela se disse orgulhosa de ter seu trabalho lembrado após a novela e contou ter ficado emocionada ao saber que pessoas comemoraram a cena nos bares. "Foi suave, romântica e leve".

O primeiro beijo da TV brasileira foi na novela "Sua vida me pertence", de 1951, na emissora Tupi. O par romântico dela era Walter Forster, que também era diretor. O pudor era tão grande, lembra Vida, que o fotógrafo da Tupi não registrou o momento do beijo - ela diz que o profissional considerou que, de qualquer forma, a imagem não seria publicada na imprensa da época.


Walter Foster e Vida Alves na novela 'Sua vida me pertence', de 1951; 
atores protagonizaram o primeiro beijo da história da TV brasileira

Vida Alves foi pioneira novamente no teleteatro "A calúnia", em que protagonizou um beijo gay com a atriz Geórgia Gomide em 1963. "São coisas que existem, e se bem focadas e realizadas, contribuem para uma sociedade mais aberta e mais consciente", afirmou ao G1. Em entrevista à TV Globo, afirmou: "Sinto orgulho de ser elemento formador da televisão".


http://g1.globo.com/