segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Lindbergh Farias é xingado ao sair de restaurante na Barra

Rapaz chegou a tirar a camisa para tentar 
agredir Lindbergh, mas foi contido.


Segundo Lindbergh, agressor chegou a empurrar 
sua mulher, que caiu e feriu o joelho e o braço.
ESTADÃO CONTEÚDO

Rio - O senador Lindbergh Farias (PT-RJ), de 46 anos, saía de um restaurante na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, na noite de sexta-feira, acompanhado pela mulher, quando foi xingado por um rapaz e uma mulher. Ele respondeu aos insultos, e a discussão se estendeu por cerca de três minutos. O rapaz chegou a tirar a camisa para tentar agredir Lindbergh, mas foi contido. Segundo Lindbergh, o desconhecido chegou a empurrar sua mulher, que caiu e feriu o joelho e o braço. O senador petista registrou o caso na 15º DP (Gávea) por lesão corporal, injúria e dano ao patrimônio. Um vídeo veiculado na internet mostra o rapaz e a mulher gritando "Fora, Lindbergh", "Fora, PT" e chamando a ex-presidente Dilma Rousseff de "safada". O senador, que já havia saído do restaurante e caminhava na calçada, reagiu classificando o casal como "fascista". A discussão se acirra até que o rapaz tira a camisa e se aproxima de Lindbergh, mas é contido pela mulher.


Segundo Lindbergh, agressor chegou a empurrar sua mulher, que caiu e feriu o joelho e o braço Daniel Castelo Branco / Agência O Dia. Em seu perfil no Facebook, o senador petista narrou o episódio: "Na noite de sexta, saí para jantar com minha esposa e amigas. Ao final, um indivíduo, sentado em uma mesa próxima, passou a nos insultar e gritar que 'quem apoia Lula não pode jantar aqui' Estávamos saindo, mas o cidadão veio atrás de nós, provocando e ofendendo. Não satisfeito, o homem tirou a camisa, empurrou minha esposa no chão, deixando-a com escoriações no joelho e no braço, e partiu para a agressão física contra mim, que reagi, indignado e em legítima defesa. É inaceitável que fatos como este ocorram. Não podemos achar normal que atitudes fascistas aconteçam sem punição. Não serei intimidado pelos porta-vozes do ódio. É lamentável que as ideias sejam substituídas pela violência, que algumas pessoas sintam-se no direito de perseguir, ofender, ameaçar e agredir fisicamente quem pensa diferente, e que tal episódio tenha ocorrido na presença de meus familiares. Registrei queixa na Delegacia de Polícia e tomarei as medidas cabíveis contra os agressores. Espero que estes sejam identificados e punidos, dando um basta na intolerância."

Até este domingo (25), o casal envolvido na agressão verbal ainda não havia sido identificado pela polícia.

http://odia.ig.com.br/