segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Dilma está mais perto da cassação

Levantamento mostra tendência pró-impeachment da presidente afastada. Dos 54 senadores necessários para a condenação, 39 são favoráveis à sentença por crime de responsabilidade.


Plenário do Senado: tendência, segundo os próprios petistas, é de que 
Dilma Rousseff seja condenada e perca os últimos dois anos e meio de mandato.
João Valadares 

Brasília – A um mês da votação final do impeachment no Senado, os apoiadores da presidente afastada, Dilma Rousseff, ainda não conseguiram “virar” votos para recolocar a petista no Palácio do Planalto. Nem o próprio PT parece ter fôlego para reverter o jogo. Levantamento do Estado de Minas, realizado com 81 senadores, aponta que a situação está praticamente definida. Dos 57 parlamentares que declararam como vão votar, 39 se posicionaram pelo afastamento definitivo de Dilma e 18 contrários. Para afastar a presidente definitivamente, são necessários 54 votos. Dos 17 que não externaram como pretendem votar, 11 apertaram o “sim” durante a primeira votação no Senado, em maio, que deu seguimento ao processo de impedimento, 3 disseram “não” e 3 três não votaram. Dois senadores, Romário (PSB-RJ) e Lúcia Vânia (PSB-GO), que apoiaram a admissibilidade do impeachment, não foram localizados. Ao contrário do que aconteceu às vésperas da votação na Câmara, com uma intensa tentativa de convencer parlamentares a “dizer não ao golpe”, hoje, a articulação política no Senado para reverter os votos pró-impeachment segue tímida. Integrantes do PT revelam reservadamente que pode até ser melhor para o partido que Temer siga até 2018. Desta maneira, a sigla se reorganizaria e apostaria todas as fichas em Lula, que já percorre o país para tentar resgatar sua imagem, bombardeada pelos efeitos da Operação Lava-Jato.

Os 10 senadores da bancada do PT no Senado tinham fechado questão e apoiaram integralmente a convocação de um plebiscito para a população brasileira decidir sobre a realização de eleição presidencial neste ano. Mas a proposta perdeu força pela indefinição da própria presidente afastada e do comando do partido. Agora, a estratégia é divulgar uma carta ao povo brasileiro. No documento, Dilma explicaria o que faria em caso de retorno.

Indecisos
De acordo com o levantamento, ainda há o bloco daqueles senadores que se dizem indecisos. São eles: Eduardo Braga (PMDB-AM), Omar Aziz (PSD-AM), Pedro Chaves (PSC-MS) e Acir Gurgacz (PDT-RO). Os novos oposicionistas esperavam contar com o voto de Braga, no entanto, circula a informação nos corredores do Senado de que ele fechou com Michel Temer e votará pelo afastamento da petista. Nos bastidores, comenta-se que ele espera que o presidente interino ajude a fazer com que o processo de cassação do governador do Amazonas, José de Melo, que se encontra no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), tenha celeridade. Em caso de cassação, Braga assumiria o posto, já que ficou em segundo lugar nas eleições. Em janeiro, Melo teve mandato cassado por compras de votos e recorreu da decisão.

O voto de Omar Aziz (PSD-AM), que se posicionou a favor do impedimento na primeira votação, pode mudar justamente em razão da articulação entre Braga e Temer. Ele é desafeto do senador e aliado do governador José de Melo. Petistas ouvidos reservadamente dizem que dificilmente Braga votará contra o impeachment. No início da semana, ele se reuniu oficialmente com o presidente interino. A assessoria de imprensa de Braga confirmou o encontro, mas comunicou que ele é relator do Orçamento e que esteve uma hora antes com o ministro do Planejamento, Diogo Oliveira, para tratar de fundos setoriais. Braga não votou em maio porque estava de licença médica. É o mesmo caso de Jáder Barbalho. Com problemas de saúde, ele não participou da votação que aprovou a admissibilidade do processo de impedimento. Com o filho à frente do Ministério da Integração Nacional, Helder Barbalho, o voto do senador a favor do impeachment é dado como certo.
Em disputa

A posição do senador Pedro Chaves, que substituiu o senador Delcídio do Amaral, cassado após ser flagrado bolando um plano para a fuga de Néstor Cerveró, ex-diretor da Área Internacional da Petrobras, é uma incógnita. O empresário possui vínculos familiares com o pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Lula, preso em regime domiciliar por envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras. Uma filha do senador é casada com um dos filhos de Bumlai. Os governistas contabilizam o voto dele em suas contas.

O senador Acir Gurgacz é alvo de disputa intensa. Ele votou a favor da admissibilidade do impeachment, em maio. Logo após, grupo de senadores contrários ao afastamento da presidente espalharam que ele teria mudado o voto. O senador nunca confirmou. Por meio de nota oficial, ele negou as especulações. “Notícias de que mudei meu voto são conjecturas mal-intencionadas de políticos e da imprensa que tentam enganar e confundir a população”, escreveu o senador. Nos bastidores, é dado como certo o voto contrário ao impeachment. Ele, inclusive, já teria revelado que votaria contra o impedimento ao presidente do PDT, Carlos Lupi.

Amanhã, o PT vai fazer uma reunião de bancada para reavaliar as estratégias desenvolvidas até aqui. O líder do PT na Casa, Humberto Costa (PE), acredita que, apesar das dificuldades, o quadro ainda é reversível. “Primeiro, acusaram a presidente de criminosa e, depois, forjaram um crime para enquadrá-la. Esse impeachment é um processo kafkiano. Estamos trabalhando, conversando com muitos senadores sobre o risco que isso representa à nossa democracia. É uma batalha difícil, mas estamos confiantes de que, na votação final, conseguiremos os apoios necessários para impedir essa ruptura da ordem democrática”, afirmou.

http://www.em.com.br/