quinta-feira, 21 de julho de 2016

Mônica Moura admite a Moro caixa 2 em campanha presidencial de 2010.

Afirmação foi feita ao juiz federal Sérgio Moro nesta quinta-feira (21). Ela é ré na Lava Jato e responde por corrupção passiva e lavagem.


Do G1 PR

Mônica Moura, mulher do ex-marqueteiro do Partido dos Trabalhadores (PT) João Santana, disse ao juiz federal Sérgio Moro que o pagamento de US$ 4.500.000,00 feito pelo engenheiro Zwi Skornick foi de caixa dois da campanha presidencial de Dilma Rousseff, em 2010. "Foi caixa dois mesmo", garantiu Mônica nesta quinta-feira (21). Esta foi a primeira vez que ela prestou depoimento a Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância. A afirmação foi feita na audiência realizada na Justiça Federal de Curitiba, relacionada à ação penal originada a partir da 23ª fase da Operação Lava Jato, deflagrada em fevereiro deste ano. Mônica responde pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro. O marido dela também é réu neste mesmo processo. Os dois estão detidos na carceragem Superintendência da Polícia Federal (PF), na capital paranaense. Eles ainda são réus em outra ação penal da Lava Jato, referente à 26ª etapa da operação. Mônica disse que o pagamento foi referente à uma dívida de campanha do PT. "Ficou uma dívida de quase R$ 10.000.000,00 que não foi paga e que demorou e foi protelada e eu cobrei muito essa dívida", relatou ao juiz. "Depois de dois anos de luta, eu tive uma conversa com o Vaccari [João Vaccari Neto], que era a pessoa responsável pelos pagamentos, era o tesoureiro na época da campanha, era quem acertava comigo. Ele me mandou procurar um empresário que queria colaborar com o partido e que ia pagar essa dívida de campanha, foi assim que eu cheguei ao senhor Zwi", afirmou Mônica.

Ela contou que encontrou com Zwi para tratar do assunto em um escritório no Rio de Janeiro. Mônica disse não saber da origem do dinheiro. Moro perguntou se ela nunca questionou Zwi ou Vaccai sobre a origem do valor, e Mônica disse que não. "Eles estavam me pagando pelo meu trabalho. Eu estava recebendo finalmente uma dívida, grande aliás, do trabalho que a gente [ela e João Santana] tinha feito". Mônica explicou que apenas perguntou a Vaccari com o pagamento seria feito e, segundo ela, o ex-tesoureiro do PT disse que o valor teria que ser parcelado. Vaccari também é réu na Lava Jato e está preso no Complexo Médico-Penal (CMP), em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. Vaccari inclusive já foi condenado a 15 anos e 4 meses de reclusão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

O ex-tesoureiro do PT também é réu nesta ação penal. Ele seria ouvido pelo juiz federal Sérgio Moro na audiência desta quarta, porém, Vaccari preferiu ficar em silêncio. Por telefone, o advogado que defende Vaccari negou os fatos citados. "O que foi afirmado não procede, isso é fruto de manifestação oriunda de delação premiada, que demandaria prova - prova esta impossível de ser realizada, porque as afirmações não refletem a verdade", afirmou Luiz Flávio Borges D'Urso. O PT foi procurado, mas a reportagem não obteve retorno das ligações.

*Ao ser questionada por Moro porque não contou sobre o caixa dois antes, Mônica disse que a prisão foi uma situação extrema na vida dela e que, além disso, a situação do país na época era de crise. "O país estava vivendo um momento muito grave institucionalmente, de política. As coisas que estavam acontecendo em torno da presidente Dilma (...) Pra ser muito sincera, eu não quis atrapalhar este processo, eu não quis incriminá-la, eu não quis colocar isso. Eu achava que eu ia contribuir para piorar a situação do país falando o que realmente aconteceu e eu acabei falando que foi recebimento de uma campanha do exterior. Eu queria apenas poupar de piorar a situação do que estava acontecendo naquele momento", alegou Mônica.

Zwi Skornicki
O lobista Zwi Skornicki prestou depoimento pela primeira vez ao juiz Sérgio Moro na condição de delator da Operação Lava Jato. O empresário disse ao juiz que começou a fazer pagamentos de propina ainda em 2003, quando tentava ajudar a empresa de Cingapura, Keppel Fels a fechar um contrato com a Petrobras. Zwi é reú no processod a 23ª fase da Lava Jato e responde pelos crimes de organização criminosa, corrupção ativa e lavagem de dinheiro. Segundo ele, embora a empresa tenha oferecido preços mais baixos para a construção da plataforma de petróleo P-52, os pagamentos foram feitos para que a empresa pudesse fazer a obra sem ter problemas com funcionários da estatal. Além da Keppel Fels, Skornicki também foi representante da empresa Sete Brasil. Ele contou que tratava sobre propina diretamente com o ex-gerente de Serviços da Petrobras, Pedro Barusco e que perto da campanha de 2010 passou a ter reuniões também com o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto.

Conforme Skornicki, foi Vaccari quem levou a mulher do marqueteiro João Santana, Mônica Moura, ao escritório dele, para receber uma dívida da campanha presidencial de 2010. Skornicki disse que pagou US$ 5.000.000,00 milhões e que descontou esse montante de uma quantia de propina que deveria ser endereçada ao PT. "Numa das visitas que o senhor Vaccari fez no meu escritório, ele disse que tinha que fazer um pagamento para o senhor João Santana e para a Senhora Mônica Moura. A senhora Mônica Moura esteve no meu escritório. Combinamos que o valor era de US$ 5.000.000,00 que o senhor Vaccari tinha autorizado", afirmou.

http://g1.globo.com/