segunda-feira, 25 de julho de 2016

JBS fecha frigorífico em São Paulo e demite 500 funcionários


Unidade de processamento de carnes da JBS
Foto: Divulgação/JBS / O Financista

A JBS, empresa líder mundial em processamento de carne bovina, ovina e de aves, encerrou as atividades de sua unidade em Presidente Epitácio (SP) e desligou 500 funcionários. No total, a JBS tinha 795 empregados na fábrica, onde era realizado o processo de desossa de carne. Parte dos funcionários será transferida para outras unidades. "A companhia realizou todos os esforços possíveis para manter o funcionamento da planta, adiando o fechamento por um mês, enquanto aguardava a definição de um posicionamento do governo do estado de São Paulo sobre as novas regras tributárias, mas não obteve retorno até o momento", informou a empresa em nota. Segundo a JBS, a decisão do governo do Estado de publicar o Decreto 61.907, de 2016, que alterou regras tributárias para produtores de carne, "inviabilizou a manutenção das atividades no local".

Guerra fiscal
A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo disse que está dialogando com os produtores de carne e que o setor já conta com um regime especial de tributação que visa a diminuir os efeitos maléficos da guerra fiscal entre os estados, e busca dar condições para viabilizar a operação das empresas. "O governo paulista tem buscado criar essas condições. Porém, as questões tributárias não são os únicos requisitos para viabilizar a operação, especialmente no que diz respeito à unidade de Presidente Epitácio", destacou a secretaria também por meio de nota. De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação de Presidente Prudente e Região, Roberto Moreira, a JBS já agendou a homologação de demissão de 500 funcionários para os próximos dias 27 e 28. Segundo ele, o fechamento da unidade terá grande impacto na vida econômica da cidade. "Avalio que a cidade vai dar uma quebrada. É uma cidade turística, mas que tem como sua principal renda essa empresa. O comércio vai começar a sentir. É um impacto não só para a cidade, mas para a região. Pessoas de outras cidades trabalhavam lá", acrescentou Moreira. De acordo com o sindicato, a empresa gerava cerca de 2,4 mil emprego indiretos. "É uma briga entre empresa e governo e quem acabou pagando o pato foram os trabalhadores", concluiu.

Agência Brasil
economia.terra.com.br