sexta-feira, 29 de julho de 2016

Desemprego no Brasil atinge recorde e deve continuar subindo

Taxa de desocupados sobe para 11,3% no segundo trimestre. 
Até o fim junho, o país tinha 11.600.000 desempregados.


HELOÍSA MENDONÇA
São Paulo

O mercado de trabalho brasileiro continua sofrendo fortemente com a recessão econômica que o país atravessa. No segundo trimestre deste ano, a taxa de desemprego no Brasil subiu para 11,3%,segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) publicados nesta sexta-feira. Até o fim junho, o país tinha 11.600.000 de pessoas procurando emprego. Este é o maior patamar de desemprego já registrado pela Pnad Contínua desde o início da série, em 2012. A população desocupada cresceu 4,5% em relação ao primeiro trimestre que registrou um desemprego de 10,9%. Já na comparação com o segundo trimestre de 2015, o aumento foi de 38,7%. Naquela época a taxa era de 8,3%. Em um ano, houve um acréscimo de 3.200.000 de pessoas desempregadas no Brasil. "A indústria é setor que mais percebe a crise e o ambiente recessivo que temos hoje", explicou Cimar Azevedo, coordenador da pesquisa, em coletiva de imprensa. Entre o segundo trimestre de 2015 e o segundo trimestre deste ano foram perdidos 1.440.000 de empregos no setor. Ainda segundo a pesquisa, a população ocupada no Brasil soma 90.800.000 de pessoas e não registrou variação frente ao trimestre anterior. No entanto, em relação ao primeiro trimestre do ano passado, houve recuo de 1,5% no número de ocupados, o que representa menos 1.400.000 pessoas no mercado de trabalho.

Desemprego deve seguir crescendo
A maioria das projeções dos economistas já estimavam que o número de desempregados subisse no último semestre. Ainda que haja uma sensação de que a economia brasileira começa dar alguns sinais de melhora em determinados setores, o mercado de trabalho é sempre o último a retomar um crescimento, segundo Bruno Ottoni, economista do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da Fundação Getúlio Vargas. "Em meio à recessão e um cenário ainda de incertezas, o empresário prefere esperar para voltar a investir e empregar. Apesar de alguns indicadores que mostram uma melhora, eles precisam de algo mais sustentável. O mercado de trabalho é mais rígido mesmo". explica.

Além de reorganizar as contas públicas do Brasil e retomar a confiança de investidores, o presidente interino Michel Temer terá como grande desafio diminuir o índice de desemprego. Ele precisará reforçar a necessidade de implantar reformas trabalhistas, como os contratos de trabalho flexíveis, para retomar o crescimento e, consequentemente, reduzir o desemprego. Para o Ottoni, só após a retomada do crescimento da economia será possível falar em uma queda do desemprego. Segundo as estimativas do Ibre, o que já é ruim vai ficar ainda pior até o final do ano. A taxa de desocupados deve chegar a 12,10% em dezembro. Ainda segundo Ottoni, só em 2018, o desemprego deve começar a cair. "Como o crescimento do PIB ainda será fraco no próximo ano, o número de desempregados continuará alto", explica. As projeções de alguns bancos brasileiros também apontam uma tendência de alta do desemprego para os próximos meses. Segundo a estimativa do Bradesco, o índice de desemprego chegará a 11,9% em 2017. Já o banco Santander prevê que a taxa de desocupados atingirá o seu pico em meados do primeiro semestre de 2017, em torno de 12,5%

Menos renda e mais informalização
A Pnad também mostrou que a renda do brasileiro diminui nos últimos meses. De abril a junho, a renda média real do trabalhador foi de R$ 1.972,00. O resultado representa queda de 4,2% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior, quando a renda média era R$ 2.058,00. O emprego formal, com carteira assinada, ficou estável entre o primeiro e o segundo trimestre deste ano, com 34.400.000 de trabalhadores nesta condição. Já em relação ao mesmo período de 2015, ocorreu um recuo de 4,1%, com menos 1.500.000 pessoas sob a proteção da formalização.

http://brasil.elpais.com/