sábado, 4 de junho de 2016

Nova secretária de Michel Temer é suspeita de ‘articulação criminosa’

Presidente em exercício nomeou a ex-deputada federal Fátima Pelaes para planejar políticas públicas para as mulheres.


Suspeita de desvio de dinheiro, Fátima Pelaes foi nomeada 
por Temer para a Secretaria das Mulheres.
O DIA

Brasília - Nomeada ontem para chefiar a Secretaria de Políticas para as Mulheres, vinculada ao Ministério da Justiça, a ex-deputada Fátima Pelaes (PMDB-AP) foi apontada pelo Ministério Público Federal como integrante de uma “articulação criminosa” para desviar R$ 4.000.000,00 de suas emendas parlamentares. Fátima é presidente do PMDB Mulher e seu nome foi sugerido ao presidente em exercício, Michel Temer, pela bancada feminina na Câmara dos Deputados. O envolvimento da ex-deputada na Operação Voucher em 2011 foi revelado ontem pelo jornal ‘Folha de S. Paulo’.

Relatório da Procuradoria-Geral da República cita o nome de Fátima em escândalo ligado a uma ONG fantasma que havia celebrado convênio com o Ministério do Turismo em 2011. O inquérito aberto em 2013 pelo Supremo Tribunal Federal (STF) está na Justiça Federal do Amapá e os sigilos fiscal, bancário e telefônico de Pelaes foram quebrados. Segundo a investigação, Fátima indicou uma ONG fantasma chamada Ibrasi para receber R$ 4.000.000,00 de suas emendas para promover o turismo no Amapá. Na época, quatro depoimentos a apontaram como beneficiária de parte do dinheiro. À ‘Folha’, Fátima disse que “confia no trabalho da polícia e da Justiça e está tranquila de que tudo será esclarecido”. Com a polêmica, assessores presidenciais defendem que a peemedebista seja exonerada da pasta e, em seu lugar, seja nomeada Solange Jurema, presidente da secretariada nacional da mulheres do PSDB.

A nomeação de Fátima para chefiar a secretaria gerou críticas de setores favoráveis à descriminalização do aborto já que ela se manifestou publicamente contra o assunto. Quando estava na Câmara em que era deputada, Fátima se manifestou contra o aborto numa sessão que discutia proposta que visava concessão de uma bolsa a mulheres que engravidam após estupro. Na ocasião, em 2010, Fátima fez um relato na Câmara, quando revelou que é fruto de um ato de estupro. A mãe, que estava presa, engravidou após ser vítima de violência sexual, mas não optou pelo aborto. Ao ser anunciada para a Secretária das Mulheres, ela disse que, apesar de ser contra o aborto mesmo em caso de estupro por causa da religião e história de vida, o governo não vai interferir nas atuais regras do país para a prática.

http://odia.ig.com.br/