quarta-feira, 11 de maio de 2016

Site ajuda quem faz refeição fora de casa

Pesquisa indica bairros em que preço 
de alimentação é mais em conta.


Sérgio e Ana avaliam os preços dos restaurantes por região e 
também preferem almoçar em restaurantes a quilo para economizar.
PALOMA SAVEDRA

Rio - Não é só com a qualidade dos alimentos que os consumidores devem se preocupar na hora de comer fora de casa. A alta dos preços para quem come na rua — os gastos quase dobraram entre março e abril (de 0,55% para 0,99%), segundo o IBGE —, encontrar restaurantes menos onerosos para o bolso virou tarefa obrigatória. Além disso, a localização dos estabelecimentos influencia no preço, como mostra o site ‘preçomediosodexo’. Enquanto o valor médio de refeição em Madureira e outros bairros da Zona Norte é de R$ 31,10, em Botafogo e Copacabana vai a R$ 46,90. Dados de pesquisa encomendada pela Associação das Empresas de Refeição e Alimentação Convênio para o Trabalhador (Assert) e realizada pelo instituto Datafolha mostram ainda que nas capitais os brasileiros desembolsam, em média, R$ 30,48 por refeição completa ao dia — com prato principal, bebida, sobremesa e café. De acordo com o Sodexo, para o trabalhador que ganha um salário mínimo, o valor mensal gasto com o almoço fora de casa, de segunda a sexta-feira, representa 76,2% de sua renda.

Há ainda diferença no tipo de refeição. Em geral, a opção do self-service é a que sai mais em conta. Nos bairros mais baratos, como Madureira, Méier, Ilha do Governador e Santa Cruz, o preço médio do quilo da comida é de R$ 28,40 e o serviço à la carte fica em R$ 57,10. Já o valor médio do prato comercial, ou prato feito, nesses bairros, sai a R$ 28,99. Já no Centro do Rio, o preço é um pouco mais salgado que nessas regiões. O valor médio da refeição é de R$ 32,29, com o prato comercial a R$ 30,58 e o self-service a R$ 31,62. Em bairros da Zona Oeste, como Jacarepaguá e Campo Grande, o valor médio da refeição é de R$ 39,81. A pesquisa indica 19 bairros no Rio.

A diferença de preços chama atenção da física Ana Graice, 37 anos, que come fora de casa diariamente. “Centro e Zona Sul são mais caros. Percebo também que o preço à la carte em diferentes regiões não varia tanto quanto o do self-service”, avalia ela, ao lado do marido, o geofísico Sérgio Ferreira, 38, que trabalha no Centro da cidade. “Opto pelo quilo que ainda é mais em conta”, diz Sérgio. Moradora da Zona Oeste, a advogada Camila Maia, 33, prefere levar a sua refeição para o trabalho, no Centro. “Se não fizer isso, nosso salário acaba rápido”, afirma.

VALORES MÉDIOS DOS PRATOS POR REGIÕES DO RIO.

MÉIER, ILHA, RAMOS, PENHA, MADUREIRA E SANTA CRUZ
Valor médio diário: R$ 31,10
Comercial: R$ 28,9
Self-Service : R$ 28,40
Executivo: R$ 40,81
Á la carte: R$ 57,10

CENTRO, S.CRISTÓVÃO E REGIÃO PORTUÁRIA
Valor médio diário: R$ 32,29
Comercial: R$ 30,58
Self-Service : R$ 31,62
Executivo: R$ 40,36
À la carte: R$ 55,63

JACAREPAGUÁ, CAMPO GRANDE E BARRA
Valor médio diário: R$ 39,81
Comercial: R$ 33,28
Self-Service : R$ 34,85
Executivo: R$ 48,99
À la carte: R$ 65,14

BOTAFOGO, LAGOA E
COPACABANA
Valor médio diário: R$ 32,29
Comercial: R$ 30,58
Self-Service : R$ 31,62
Executivo: R$ 40,36
À la carte: R$ 55,63

http://odia.ig.com.br/