domingo, 15 de maio de 2016

Coluna do Aposentado: Posto que não foi inaugurado no Alemão será fechado


Garibaldi Alves Filho, Sérgio Cabral e Dilma na 
inauguração do projeto Previdência Aqui no Alemão.

Foi estipulado prazo de 30 dias para a Gerência-Executiva 
Norte no Rio, responsável pelo posto, “concluir os procedimentos administrativos para desativação".
MAX LEONE

Rio - Sem ter saído do papel, mais de cinco anos após o anúncio de implantação, a agência da Previdência no Complexo do Alemão foi desativada pela Presidência do INSS em Brasília. No apagar das luzes do governo Dilma, a então presidente do instituto, Elisete Berchiol, publicou no DO de 12 de maio, a Resolução 536 para acabar com a unidade sob alegação da “necessidade de adequação do Projeto de Expansão da Rede de Atendimento da Previdência Social”. Foi estipulado prazo de 30 dias para a Gerência-Executiva Norte no Rio, responsável pelo posto, “concluir os procedimentos administrativos para desativação”.

Ao longo dos anos, a burocracia emperrou a abertura da agência. Para que o posto fosse instalado, acordo de cessão do espaço entre governo do estado e União deveria ter sido firmado. Previsto para ser inaugurado no primeiro governo Dilma, anunciado com toda pompa não passou de promessa. Conforme a coluna noticiou em 20 de dezembro de 2014, a unidade já perigava não ser entregue por conta dos entraves burocráticos. Originalmente, foi implantando apenas o projeto Previdência Aqui, mediante assinatura de Acordo Técnica entre estado e União em 7 de julho de 2011. A parceria foi festejada na inauguração do Teleférico do Alemão. O Previdência Aqui oferecia apenas orientações e faria agendamentos. A cerimônia teve a participação de Dilma, do então aliado e governador Sérgio Cabral (PMDB) e do ministro da Previdência à época, Garibaldi Alves Filho. Mas durante a cerimônia, Dilma anunciou que gostaria de ver ali uma agência da Previdência com serviços completos. Na ocasião, ela justificou a instalação da nova agência: “A unidade de atendimento da Previdência Social ia ser pequena, mas o governo do estado e a prefeitura nos deram um espaço maior. O local vai prestar todos os serviços oferecidos em qualquer agência do INSS”. A previsão inicial era de que estaria pronta até o fim de 2011 para beneficiar 200 mil moradores na região.

O discurso da presidente teve eco nas palavras Garibaldi que garantiu: “O que seria apenas prestação de serviços de informação, vai se tornar prestação mais efetiva de concessão de benefícios, como existe em qualquer agência”. Em 2014, a coluna cobrou posição do estado e do INSS, que na época alegaram que a formalização da unidade dependia de acordo de cessão do espaço entre as partes. O governo estadual divulgou na época que “a cedência já foi assinada e o processo estava em andamento”.

http://odia.ig.com.br/