sábado, 30 de abril de 2016

Mujica é atingido por críticas internas e escândalo em estatal

Idolatrado no exterior, ex-presidente tem 
legado ameaçado após denúncias.


Contratempos. José Mujica durante sessão no Senado: comissão opositora no 
Congresso quer investigar negócios fechados com a Venezuela entre 2010 e 2015.

POR JANAÍNA FIGUEIREDO

BUENOS AIRES - Há uma semana, diante de uma plateia de produtores de leite de Puerto Varas, no Sul do Chile, o ex-presidente do Uruguai, José Mujica, assegurou que “pelo fato de ter sido presidente de uma Nação e continuar vivendo como um homem do povo” as pessoas achavam que ele era fenômeno. O atual senador e homem forte da governista Frente Ampla foi aplaudido euforicamente, como cada vez que se apresenta em palcos estrangeiros e é elogiado por seu perfil austero e pelas conquistas sociais de vanguarda — como as leis de legalização da maconha, aborto e casamento gay. Dentro do Uruguai, porém, as opiniões e sentimentos em relação a Mujica, principalmente à sua gestão como presidente entre 2010 e 2015, são cada vez mais negativas. E o governo do ex-presidente está na mira da Justiça por uma denúncia penal apresentada recentemente pelos três principais partidos de oposição, sobre supostas irregularidades na companhia petrolífera estatal Ancap e poderia enfrentar, ainda, uma ofensiva para abertura de uma comissão de investigação no Congresso sobre negócios fechados com a Venezuela durante seu mandato.

A denúncia contra a Ancap, que também envolve o primeiro governo do presidente Tabaré Vázquez (2005-2010), é um fato inédito no Uruguai e chegou ao Juizado do Crime Organizado poucos meses depois de o Parlamento ter aprovado, por lei, uma capitalização de US$ 800.000.000,00 para a maior empresa do país, que tem o monopólio do mercado de combustíveis. Na opinião de economistas e analistas locais ouvidos pelo GLOBO, a acusação de má administração é delicada e o rombo financeiro deixado por Mujica a seu sucessor poderia superar US$ 1.000.000.000,00.

Os erros comedidos pelo ex-presidente da Ancap, o atual vice-presidente Raúl Fernando Sendic — filho do líder tupamaro Raúl Sendic — tiveram consequências graves para os uruguaios, entre elas, a de pagar uma das gasolinas mais caras do mundo (US$ 1,50 por litro). Mais uma razão que alimenta as críticas ao governo Mujica, em momentos de paralisia econômica. Pesquisa da empresa de consultoria Factum mostrou, este ano, que 72% dos uruguaios desaprovam a gestão de Sendic na companhia estatal. — A Justiça determinará se foram cometidos delitos ou não, mas a magnitude da capitalização representa 2% do nosso PIB. Paralelamente, através do preço da gasolina, todos nós, uruguaios, colaboramos com a recuperação financeira da empresa — afirmou o economista Ignacio Munyo, que dedicou os últimos anos a estudar o funcionamento das companhias estatais uruguaias.

Poucas reformas na área de educação
Para ele, em termos de proporção do PIB, o escândalo da Ancap é pior que o da Petrobras. — Essa crise, consequência dos resultados ruins que todas as empresas estatais tiveram durante o governo Mujica, afeta toda nossa economia. Gabriel Oddone, da consultora CPA Ferrere, diz que, em momentos de forte expansão da economia, Mujica não fez as reformas esperadas, como na educação, e deixou um déficit fiscal recorde, de 3,5% do PIB. — Foi um governo bagunçado nas finanças.

Na opinião de Munyo, uma das falhas foi deixar que a Ancap, controlada na época pela ala mais radical da Frente Ampla, adotasse decisões sobre investimentos, sem consultar o Ministério da Economia, gerenciado pelo setor mais moderado. A denúncia penal inclui mais de 50 pessoas, entre funcionários e sócios externos. Mas a figura chave é, sem dúvida, Sendic, apontado muitas vezes como eventual sucessor de Mujica. Os escândalos na companhia estatal praticamente derrubaram qualquer possibilidade de lançar uma candidatura presidencial no futuro, o que coloca a Frente Ampla numa situação difícil, já que o partido, fundado em 1971, não construiu novas lideranças. — Em nossa denúncia mencionamos, um por um, os erros de gestão e as normas que foram violadas. Temos a suspeita de que foram cometidos delitos. A Ancap perdeu muito dinheiro pagando sobrepreços e dando concessões sem licitação prévia, até mesmo a empresas brasileiras, entre elas a Eletrobras — apontou o senador opositor Alvaro Delgado, que diz que a Justiça poderia solicitar o depoimento de representantes de empresas brasileiras que fizeram negócios com a Ancap. — Pedimos a intimação de representantes da Eletrobras.

O documento cita investimentos que teriam sido superfaturados, irregularidades na distribuição de publicidade da empresa e obras mal acabadas. Para Delgado, o governo Mujica desperdiçou oportunidades, num momento de forte crescimento (média de 5%). Já o deputado da Frente Ampla Gonzalo Mujica, que se distanciou do ex-presidente nos últimos tempos, reconhece que “foram cometidos erros importantes”, mas elogia o governo: — Foram aprovadas leis históricas sobre liberdades públicas.

Mas nem mesmo integrantes do partido negam o atual clima de insatisfação em relação à gestão. — À medida em que vão aparecendo problemas como esse, a imagem de Mujica fica mais deteriorada. Acho que as suspeitas sobre a Venezuela são ainda mais complicadas.


http://oglobo.globo.com/