quinta-feira, 28 de abril de 2016

Eduardo Paes e sua realidade própria


Elio Gaspari

A "ciclovia mais bonita do mundo" foi inaugurada em janeiro por um prefeito seguro de si, capaz de dizer que "todo governante tem inveja de mim". Parte da estrutura desabou na semana passada, duas pessoas morreram e, quando Eduardo Paes reuniu a imprensa para tratar do desastre, disse o seguinte: —É óbvio que se essa ciclovia tivesse sido feita de forma perfeita nós não teríamos essa tragédia nem esse absurdo. Obviamente você tem problemas aí.

É óbvio que, se Kennedy não tivesse ido a Dallas, não teria morrido. A manipulação do óbvio ululante é uma arma de dois gumes. No caso da tragédia da ciclovia, há outras obviedades, todas chocantes. É óbvio que se funcionários da prefeitura de Paes tivessem colocado cones de trânsito nos acessos à ciclovia, interditando-a, ninguém teria morrido. Defeitos estruturais são coisa para especialistas, mas ressaca é um fenômeno visível a olho nu. Guarda-vidas interditam trechos de praias. A ponte Rio-Niterói fecha quando os ventos colocam em risco o trânsito.

Quem se revelou incapaz de perceber o óbvio não foi a audiência de Paes, mas sua prefeitura. Diante do óbvio, seu herdeiro presuntivo, o secretário Pedro Paulo Teixeira, espancou a lógica e disse o seguinte: —A ressaca não é um fenômeno novo, mas a incidência, naquele ponto, não há dúvida de que foi um evento novo. Ganha uma viagem a Saturno quem souber o que ele quis dizer. Talvez ache que nos eventos velhos a ressaca não atingia aquele ponto.

Deixem-se de lado detalhes da empreitada da ciclovia entregue à família de um outro secretário de Paes, com seus custos e aditivos. Pedro Paulo tornou-se nacionalmente conhecido por ter batido na mulher. É óbvio que era um assunto privado, apesar de ela ter dado queixa à polícia, uma instituição pública. Não foi o primeiro astro da equipe de Paes a encrencar-se. O secretário da Ordem Pública, Rodrigo Bethlem, disse à ex-mulher que coletava R$ 100.000,00 mensais em propina. Ela gravou. O ex-"xerife do Rio" saiu de cena, e tempos depois Paes disse: "Se cruzar com ele, dou uma bordoada".

Ainda não cruzou, mas em 2013, acolitado por guarda-costas, meteu-se numa briga de restaurante com um mal-educado que o insultara. Talvez seja por isso que as pessoas que lidavam com seu nome numa planilha da empreiteira Odebrecht apelidaram-no "nervosinho". Há um Eduardo Paes moderno e outro, arcaico. Juntos, formam um personagem com toques perigosamente trumpescos. O moderno resolveu multar os cariocas que jogam lixo no chão. O arcaico foi a um evento em Sepetiba, comeu uma fruta e atirou longe a sobra. Flagrado num vídeo, disse que jogou o lixo para um assessor, que estaria metros adiante. Acreditasse quem quisesse. Recentemente, teve um piti num hospital público quando foi buscar atendimento para um filho. Teria dito o seguinte a uma médica: "A senhora está demitida. Não quero mais ouvir sua voz, aqui não estou falando como cidadão, mas como seu patrão. Não quero mais que você trabalhe para mim". Ele realmente acha que é patrão dos servidores e não empregado dos eleitores.

É óbvio que, em tese, Paes sabe se comportar. O problema é que às vezes, sob pressão, acha que pode se comportar como quiser. Ele diria que isso "é coisa de pobre".

www1.folha.uol.com.br