segunda-feira, 21 de março de 2016

Ministro Cardozo vazava operações da Lava-Jato para Dilma e Lula, afirma Delcídio à Veja

Cardozo soube com antecedência sobre a condução 
coercitiva que teve o ex-presidente Lula.


Quando queria tratar de temas de bastidores com Delcídio, Cardozo (foto) mandava 
mensagens convidando-o para falar da "questão indígena". ( Arquivo ).
por Folha Press

O senador e ex-líder do governo no Senado Delcídio do Amaral disse que o advogado-geral da União José Eduardo Cardozo vazou informações sobre a realização de fases da Operação Lava Jato para a presidente da República Dilma Rousseff e outros interessados, na época em que era ministro da Justiça. A afirmação foi feita em entrevista à revista "Veja" publicada no sábado (19). Delcídio disse que Cardozo soube com antecedência sobre a condução coercitiva que teve o ex-presidente Lula como alvo na 24ª fase da Lava Jato, no dia 4, e "alertou os principais interessados", de acordo com a publicação. Na entrevista, Delcídio afirmou que Cardozo, após tomar conhecimento sobre as operações, dizia a ele: "Ventos frios sopram de Curitiba".

Segundo ele, quando queria tratar de temas de bastidores, Cardozo mandava mensagens convidando-o para falar da "questão indígena", assunto recorrente no Estado do ex-líder do governo, o Mato Grosso do Sul. Delcídio retomou na entrevista denúncias apresentadas em sua delação premiada e reafirmou que "Lula e Dilma tinham pleno conhecimento da corrupção na Petrobras""Errei, mas não roubei nem sou corrupto. Posso não ser santo, mas não sou bandido"

Segundo a reportagem publicada pela revista, o senador disse querer se redimir com a sociedade auxiliando autoridades a unir os pontos que ainda faltam para expor todo o enredo do esquema de corrupção. "Errei, mas não roubei nem sou corrupto. Posso não ser santo, mas não sou bandido", declarou. Entre as denúncias retomadas na entrevista, o senador declara que Lula comandava o Petrolão, cujo esquema teria sido herdado por Dilma, também beneficiada, uma vez que o esquema financiou suas campanhas. "A Dilma também sabia de tudo". Ele também fala sobre as obstruções à Justiça que estariam sendo promovidas pelo governo.

"Ele [Lula] e a presidente Dilma tentam de forma sistemática obstruir os trabalhos da Justiça, como ficou claro com a divulgação das conversas gravadas entre os dois." Mas, "nem sempre foi assim", afirma Delcídio sobre a suposta sintonia de Lula e Dilma em abafar as investigações. "O Lula tinha a certeza de que a Dilma e o José Eduardo Cardozo tinham um acordo cujo objetivo era blindá-la contra as investigações. A condenação dele seria a redenção dela, que poderia, então, posar de defensora intransigente do combate à corrupção". Enquanto isso, Lula "queria parecer solidário, mas estava mesmo era cuidando dos próprios interesses". A "Veja" informou que Delcídio, que se desfiliou do PT na última terça-feira (15), participou do ato político contra o governo realizado no domingo (13). Ele foi de moto à manifestação e não tirou o capacete que usava, temendo ser reconhecido, segundo a publicação. Porém, Delcídio cumpre acordo de delação premiada que o proíbe de frequentar locais com grande acesso público. O advogado de Delcídio, Adriano Bretas, nega que o senador tenha participado ou passado pelo ato. A Folha de S.Paulo não conseguiu localizar Cardozo até o momento.

http://diariodonordeste.verdesmares.com.br/