terça-feira, 22 de março de 2016

Dilma parte para o contra-ataque para evitar o fim antecipado do governo

Lula jantou na segunda com a presidente e começou a trabalhar informalmente na articulação política do governo.


"Divulgar o conteúdo de conversas envolvendo a presidente 
coloca em risco a soberania nacional", disse Dilma ao STF.
O DIA

Rio - A presidente Dilma Rousseff partiu para o contra-ataque. Determinou que seus ministros façam o possível e o impossível para seduzir o PMDB, evitar o desembarque do partido do governo e atrair o vice-presidente Michel Temer. Desde o final do ano passado, o vice está estremecido com os petistas e trama seu rompimento com o Palácio do Planalto. Dilma ainda acredita, no entanto, que é possível recuperar a lealdade de Temer. O assunto foi um dos pontos centrais de reunião matinal da presidente com sua coordenação política. Outro tema foi a economia. Na semana passada, Dilma encomendou ao ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, medidas para melhorar os indicadores econômicos e aliviar a crise financeira dos estados, ajudando assim a atrair o apoio dos governadores. Na tarde de ontem, Barbosa anunciou um pacote de ações nessa direção.

Preocupados com a velocidade da crise política, Dilma e os ministros resolveram também minimizar a polêmica sobre entrada do ex-presidente Lula no ministério e deixar o assunto a cargo dos advogados. Lula jantou ontem com Dilma, no Palácio da Alvorada, e já começou a trabalhar informalmente na articulação política. O primeiro passo é a reaproximação com Temer. Lula tenta marcar um café da manhã com o vice. O vice-presidente está quieto mas não está parado. Ontem, divulgou uma nota rechaçando informações publicadas na imprensa paulista pelo senador José Serra (PSDB-SP) de que os tucanos já estariam articulando com Temer uma equipe de governo em caso de impeachment. No documento, o vice-presidente afirma “que não delegou a ninguém anúncio de decisões sobre sua vida pública. Quando tiver que anunciar algum posicionamento, ele mesmo o fará, sem intermediários”, avisa nota. Ele não cita Serra. Outra esperança dos petistas na permanência dos peemedebistas veio da ministra da Agricultura,Kátia Abreu, do PMDB de Tocantins. No Twitter, a ministra defendeu a presidente. “Continuarei escrevendo que acredito na honestidade da presidente Dilma Rousseff até que me provem o contrário”, escreveu Katia.

No encontro de segunda-feira, Dilma, os ministros e os líderes do governo criticaram a velocidade do processo de impeachment no Congresso Nacional. Eles culpam o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), por apressar o julgamento. Segundo políticos que participaram da reunião, apesar do cenário de crise agravado, é consenso entre os petistas de que a oposição não conseguirá os 342 votos para abrir o processo na Câmara.


"O vice-presidente Michel Temer não delegou a ninguém anúncio de decisões sobre 
sua vida pública", disse ele ao negar que esteja tramando contra o governo.

“Essa margem está flutuando, mas o governo ainda acredita que barra o impeachment nessa primeira fase na Câmara”, calculou um dos integrantes da base. Em manifestação enviada ao STF, a presidente Dilma afirmou que Sergio Moro colocou em risco a soberania nacional ao divulgar seu diálogo com o ex-presidente Lula. "Assim, tomar a decisão de divulgar o conteúdo de conversas envolvendo a presidente da República coloca em risco a soberania nacional, em ofensa ao Estado democrático republicano. A interceptação é medida extrema que ofende direitos e garantias constitucionais, como a privacidade. Assim, ofende gravemente a ordem jurídico-constitucional divulgar o que não tem a ver com a interceptação ou a investigação", diz a ação da Advocacia-Geral da União.

Petista lidera citações favoráveis
Apoiadores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva emplacaram a hashtag #EstouComLula no trending topic mundial do Twitter na manhã de ontem. A hashtag # EstouComLula começou a crescer por volta das 09:00hs., de ontem, segundo gráfico do site Hashtags.org, com estimativa de 5.100 tuítes por hora. Foi publicado na noite de segunda-feira à noite abaixo assinado intitulado “Escritores e profissionais do livro pela democracia” a favor do governo Dilma e de Lula. O cantor e compositor Chico Buarque é um dos signatários. O documento já conta com 1.256 adesões. Pastores e integrantes de diversas igrejas evangélicas também divulgaram ontem manifesto que defende o respeito ao voto popular e afirma que as investigações sobre casos de corrupção devem respeitar os limites constitucionais.

http://odia.ig.com.br/