quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Mangueira é a nova campeã do Grupo Especial

Escola desbancou o Salgueiro no último quesito. Agremiação homenageou a cantora Maria Bethânia na Sapucaí.

Mangueira é a nova campeã do Grupo Especial
Foto: Paloma Savedra / Agência O Dia
PALOMA SAVEDRA

Rio - A Estação Primeira de Mangueira é a nova campeã do Grupo Especial do Carnaval carioca. Com o enredo "Maria Bethânia – A menina dos Olhos de Oyá", a agremiação desfilou na última segunda-feira e saiu da Apoteose como uma das favoritas. A apuração foi apertada e só foi decidida no último quesito, alegorias e adereços. A Verde e Rosa não vencia desde 2002, com "Brazil é para cabra da peste, Brasil é a nação do Nordeste". Este ano foi ainda a estreia do puxador Cigareney, sucessor de Jamelão. Emocionado com a vitória, o presidente da Mangueira afirmou que a escola fez um "belo trabalho" e que "ganhar foi consequência". "Foi disputado. Salgueiro também fez um belo trabalho. A emoção dos componentes na Avenida foi o diferencial da gente", afirmou Chiquinho da Mangueira. A quadra da agremiação ficou lotada minutos após o anúncio. Além dela, outras sete escolas desfilarão no sábado das Campeãs: Salgueiro, Unidos da Tijuca, Portela, Grande Rio e Beija-Flor. A sétima será decidida ainda nesta quarta-feira, no fim da apuração do Grupo de Acesso.

Com enredo sobre a cantora Maria Bethânia, Mangueira é a nova
 campeã do Carnaval Carioca. Foto: André Mourão / Agência O Dia.

História e tradição estiveram mais do que nunca a serviço da Mangueira. Com enredo sobre Maria Bethânia, a agremiação contou com a MPB em peso no seu desfile. Além da homenageada, Caetano Veloso, irmão dela, também foi um dos destaques Também desfilaram Mart'nália, Adriana Calcanhoto, Chico César, Zélia Duncan, Lúcia Veríssimo, Regina Casé, Vanessa da Mata, Renata Sorah e Ana Carolina. A escola homenageou os 50 anos de carreira de Bethânia. A ideia surgiu do carnavalesco Leandro Vieira, que tem apenas dois anos de carreira no ramo e é o mais jovem do carnaval carioca, com 31 anos.

O desfile da Mangueira mostrou a vida da cantora, uma das maiores da história do País. As alegorias e alas representaram diversas fases da vida e carreira da baiana. A comissão de frente foi formada por 15 bailarinas negras com um figurino ousado, que fazia parte da coreografia e deixava os seios à mostra, como guerreiras Oyá – orixá relacionada à sensualidade e à valentia.

http://odia.ig.com.br/